19/01/2017

Mattel cria assistente virtual para responder aos ‘porquês’ das crianças


A infância e juventude são fases de grande curiosidade so ser humano de descobertas e de dúvidas.

Pensando nisso, a Mattel desenvolveu um assistente virtual para as crianças, similar à Alexa da Amazon.

O assistente entende, responde e possui funções especiais destinadas às crianças, adolescentes e até aos pais.

Chamado Aristotle, o assistente entende as falas das crianças mesmo que ainda não tenham a dicção perfeitamente desenvolvida.

Integrado no assistente há uma tecnologia que aprende o “sotaque” do usuário por meio um parágrafo pré-definido que deve ser recitado na primeira iniciação, o que permite que ele identifique e aprimore seu reconhecimento de voz.

O Aristotle também consegue cuidar do estoque de fraldas, como por exemplo, sugerindo e efetuando a compra de mais unidades quando o estoque estiver no final.

Algumas funções podem ser personalizadas para serem ativadas exclusivamente pelos adultos.

Ele também conta com uma câmera para que os pais fiquem de olho nos seus filhos.

A assistente consegue até acalmar os bebês quando acordam chorando.

Levando em conta que a Mattel é primariamente uma fabricante de brinquedos, já era de se esperar que funções divertidas seriam adicionadas.


Segundo seus criadores, ações customizadas e efeitos sonoros serão acionados caso o Aristotle reconheça pela câmera brinquedos como carrinhos da Hot Wheels.

A câmera é capaz de reconhecer até brinquedos que não possuam sequer uma parte eletrônica. Uma boneca por exemplo, pode ganhar voz pelos auto falantes, e até ativar um chat personalizado.

Muitas de suas funções ainda parecem estar presentes somente na teoria, e aparentemente muitas outras ainda devem ser adicionadas, já que a plataforma está aberta para aplicativos de terceiros.

A Mattel recentemente fechou uma parceria para adicionar uma biblioteca de mais de 500 livros infantis, possibilitando que o assistente os leia aos usuários.

Esse é mais um passo dado no aprimoramento das relações entre robôs e humanos e a diminuição da necessidade de conversas interpessoais.

Até em que ponto isso é benéfico? Será que em um futuro próximo deixaremos as crianças aos cuidados de realidades aumentadas para poder trabalhar ainda mais?

Não sabemos em quais línguas Aristotle estará disponível, mas o lançamento deve acontecer por volta de junho de 2017 e a estimativa é de que ele custe 300 dólares.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários: