05/09/16

Focando nos Valores: a competitividade e a busca pelo cliente perfeito



A contínua disputa pela renda do consumidor em todos os mercados globais, com inegáveis diferenças decorrentes dos níveis socioeconômicos locais gerou um quadro de crescente competitividade. 

Com a evolução das transações feitas pela internet e a possibilidade de pequenos empresários alcançarem milhões de pessoas com baixos investimentos, a competitividade no Brasil vem crescendo.

Antes da internet, os limites desse cenário eram dados, de um lado, por ofertas, promoções, vendas especiais ou políticas permanentes de atuação focadas em preços baixos.

Na outra ponta, pela contínua necessidade de investimento em lojas, marcas, promoções e comunicação, ao mesmo tempo que cresciam os custos operacionais, a busca em caráter permanente era oferecer mais por menos ao consumidor.

Esse processo ocorreu com maior intensidade nas economias mais desenvolvidas, que são mais impactadas pelo amadurecimento e pela falta de tempo do consumidor, gerando, em consequência, uma busca constante pelo valor incorporado aos produtos, com forte atenção ao preço.

Porém seu reflexo, até por conta do crescimento da interdependência das economias regionais, expandiu-se por todo o mundo, em todos os segmentos de negócios.


Competitividade evolutiva

Com a significativa evolução tecnológica, a customização dos produtos e a ampliação do volume de produção, concomitante com o aumento da qualidade, o consumidor tem uma oferta de produtos cada vez mais ampla.

Ele torna-se de fato o centro das atenções de varejistas e fabricantes, por meio de alternativas de venda direta, tais como venda domiciliar.

A disputa pela renda desse consumidor, cada vez mais informado sobre seus direitos e consciente dessa situação, gera um acirramento da competitividade em todo o mundo, em todos os setores de negócios, em maior ou menor escala, dependendo das características do produto. 

Assim, a competitividade no Brasil evolui em passos largos.

O mais amplo acesso a fatores de produção e a maior disponibilidade de capitais e recursos tecnológicos trouxeram contínuo crescimento da oferta de bens e serviços e seu barateamento, ampliando o mercado global para eles.

Por outro lado, a maior democratização no acesso à informação, o assédio e disputa por varejistas e fornecedores e a maior consciência de sua importância para os negócios dessas empresas colocaram nas mãos dos consumidores globais um poder que se ampliou à medida que a competitividade no Brasil evoluiu. E vice-versa.


Focando nos Valores 

Muitas empresas, através da otimização de processos e terceirização de serviços via freelancers (muitas vezes até de outros países) possibilita que algumas empresas cobrem mais barato pelos serviços.

Algumas startups optam até mesmo em viver no “vermelho” durante um período, para dominar o mercado. Várias empresas ficam até mesmo mais de um ano sem ter retorno para poder difundir suas marcas ao maior número de pessoas possível.

Esses tipos de estratégias na maioria das vezes só são possíveis quando há grandes investidores por trás.

O que resta para nós, pequenos empresários, que não conseguimos viver no vermelho por muito tempo, é direcionar nosso foco para um posicionamento diferenciado. 

Quando exaltado, o valor percebido que é gerado na mente do consumidor em relação a um produto, não é necessário entrar em uma interminável briga por preços.



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários: